Header Ads

Fate/Zero

A quarta guerra pelo Santo Graal está prestes a começar, assim sete magos convocam espíritos heroicos para os ajudarem nessa batalha e conquistar a chance de ter seu maior desejo realizado.


Mídia: anime
Exibição: 2011 - 2012
Episódios: 26
Estúdio: Ufotable
Demografia: shounen
Gêneros: Ação, Fantasia, Drama

Sinopse: De tempos em tempos ocorre a Guerra do Santo Graal, uma competição na qual sete magos sumonam sete espíritos heroicos para competir para obter o poder do "Santo Graal" que concede um milagre. Depois de três guerras inconclusivas para o Santo Graal, a Quarta Guerra começa. Assim, setes novos magos são escolhidos e convocam espíritos para ajudá-los nessa batalha.
Saber e Irisviel

Comentários: Meu primeiro contato com Fate/Zero foi em um Anime Friends, quando vi os três primeiros capítulos na volta para casa. Eu já conhecia a franquia Fate, mas nunca tinha me interessado por ver Fate Stay Night. De qualquer forma, acabei dando uma chance para a animação e não me arrependo.

Basicamente, a trama gira em torno de sete mestres: Emiya Kiritsugu, Kotomine Kirei, Tohsaka Tokiomi, Matou Kariya, Waver Velvet, Kayneth El-Melloi e Uryuu Ryuunosuke, e seus servos que são invocações de figuras históricas: Saber (Arthur), Assassin (Hassan), Archer (Gilgamesh), Berserk (Lancelot), Rider (Alexander), Lancer (Diarmuid) e Caster (Giles de Rais), respectivamente, que entram em guerra pela conquista do santo Graal.

Mas apesar do plot ser simples, Fate/Zero não é uma história fácil de ser compreendida, entregue de mãos beijadas ao espectador. Ela possui vários detalhes e nuances que precisam ser analisadas para a total compreensão da trama.
Waver Velvet (só porque é meu preferido)
 
A história traz um contexto obscuro e adulto, com várias referências históricas e religiosas. Embora seja um anime de ação e batalhas, todas primorosamente regidas e executadas, o destaque fica para os diálogos, a maioria deles são bastante racionais e filosóficos, questionando o posicionamento de cada mestre na batalha. Há grande preocupação com a narrativa, os personagens são cinzentos e cheios de camada e diálogos e manipulações podem ser mais eficientes em resolver um conflito do que as batalhas propriamente ditas.

Todos os personagens, dos mestres aos servos, têm seus próprios ideais, dramas e motivações. Ninguém é 100% doce e amável e ninguém é tão odiável que te faça querer dizimar o personagem (embora eu definitivamente tenha implicância com o Kirei).

Mas nem tudo são flores, a trama se foca muito no conflito da tríade Kiritsugu x Kirei x Kariya, de forma que alguns personagens acabam ficando um pouco deslocados nesse contexto, como Waver, que embora tenha destaque fica um pouco avulso na história. Outro ponto falho é que o final pareceu um tanto corrido. A luta entre a Saber e o Berserk, que seria um ponto alto da trama, acabou intercalada com outras tramas e perdeu muito do efeito. O que é uma pena, pois ela faz uma luta muito mais empolgante com o Lancer, logo no começo do anime. Ou mesmo o episódio da Rin, por mais que entenda seu proposito, ele ficou destoado da trama, com uma cara muito mais Fate Stay Night.

A animação está lindíssima e fazia muito tempo que eu via um anime de encher os olhos de tal forma, os cenários, as batalhas, as expressões dos personagens, tudo está muito bem retratado, fazendo-o se sentir inserido no ambiente.
Mestres e Servos
Vale a pena? Sim, seguindo a linha de shounen adultos (como Death Note ou FMA) Fate/Zero é uma história rica e imersiva. E para quem não viu o Stay Night não é preciso se preocupar, tudo é perfeitamente explicado.

Onde encontrar: Disponível no Netflix e Crunchyroll.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.